Política

Câmara da Serra é campeã de gastos no Estado

GERALDO CAMPOS JR | geraldocampos@oestadoes.com.br
Divulgação
Divulgação
Câmara da Serra: maior volume de gastos em 2016 no Estado
Com a arrecadação em queda, os municípios do Espírito Santo tiveram que readequar os gastos para fechar a conta. Além de cortar despesas, as prefeituras tiveram que diminuir os investimentos em várias áreas, dentre elas, no valor dos recursos repassados para cobrir as despesas das câmaras de vereadores. No ano passado, os valores destinados ao Legislativo municipal atingiram o menor patamar desde 2011.
Considerando os 78 municípios do Estado, 71% reduziram as despesas com as Câmaras Municipais no ano passado, o que totalizou um gasto de R$ 303,6 milhões, valor 2,4% menor do que o registrado no ano anterior. Na contramão, 20 municípios aumentaram os repasses aos Legislativos municipais, como a Serra, que continua a ser o município com maior despesa entre as câmaras capixabas.
Foram gastos pela Câmara Municipal da Serra no ano passado R$ 32,1 milhões, um aumento de 1,7% referente a 2015, quando se gastou R$ 31,6 milhões. Os dados são do anuário Finanças dos Municípios Capixabas, elaborado pela Aequus Consultoria e publicado no final de julho.
Com mais de 490 mil habitantes, a Serra possui uma despesa per capita com a Câmara de R$ 65,06, valor inferior à média dos municípios capixabas, que é de R$ 76,39, segundo dados do anuário. No ranking per capita, a Serra ocupa o 61º lugar dentre os 70 municípios analisados pelo estudo.
Procurada pela reportagem de O EstadoES, a assessoria da Câmara da Serra atribuiu o elevado valor dos gastos justamente ao tamanho do município, que é o mais populoso do Estado e, por isso, as despesas seriam maiores. A Câmara explicou que, no ano passado, possuía um gasto mensal médio de R$ 2,54 milhões, e que, nesse ano, essa despesa por mês é de R$ 2,85 milhões.
Esse gasto mensal se deve, conforme informou a assessoria da Câmara da Serra, à manutenção da estrutura e ao pagamento dos servidores. O Legislativo ainda destacou que devolveu no final do ano passado R$ 2,08 milhões aos cofres da prefeitura.
A capital Vitória, que tradicionalmente ocupava o segundo lugar nesse ranking de gastos com o Legislativo, apresentou uma queda de 14,4% nas despesas, somando R$ 24,5 milhões no ano passado, ante a um valor médio de R$ 28 milhões nos dois anos anteriores.
A redução dos gastos da câmara da capital foi mais expressiva entre os maiores municípios do Estado, o que permitiu que Vitória caísse para terceiro lugar no ranking das maiorias despesas. Assim, assumiu o posto de segundo lugar a Câmara de Vila Velha, que utilizou R$ 25,9 milhões no ano passado, valor que é 0,2% menor que o do ano anterior.
Divulgação
Divulgação
Vinicius Simões: esforço
Para o vereador Vinicius Simões (PPS), presidente da Câmara de Vitória, essa redução é fruto de necessidade nacional, em tempos de crise. Ele destacou que esse é um esforço coletivo de todos os vereadores, que estão economizando da manutenção dos gabinetes até a contratação de servidores, além de uma redução dos valores dos contratos.
“É um esforço importante porque, diante da crise econômica que vivemos, quanto mais economizamos no Legislativo, mais o Executivo pode investir especialmente em áreas fins, como a saúde e a educação. Prova disso é que, em julho, devolvemos R$ 1,3 milhão ao Executivo para manutenção das 103 escolas municipais. Com isso, cada uma das 103 Cmeis e Emefs de Vitória recebeu cerca de R$ 13 mil”, afirmou o vereador.
Entre os municípios que registraram aumento percentual dos gastos, os destaques são Marataízes, que apresentou aumento de 31,8%, e Itapemirim, com mais 15,3%. Levando em conta a despesa pelo número de habitantes, a Câmara de Anchieta continua sendo o município com o gasto mais elevado: R$ 524,64 per capita. Na sequência aparecem as câmaras de Itapemirim (R$ 234,77), Presidente Kennedy (R$ 137,86), Vila Valério (R$ 129,06) e Santa Leopoldina (R$ 125,13).
RANKING: AS CÂMARAS QUE MAIS GASTARAM NO ESTADO
 1º  SERRA  32,1 milhões
   VILA VELHA  25,9 milhões
   VITÓRIA  24,5 milhões
 4º  CARIACICA  17,3 milhões
 5º  LINHARES  14,8 milhões
 6º  ANCHIETA  14,7 milhões
 7º  CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM  12,4 milhões
 8º  ARACRUZ  10,5 milhões
 9º  GUARAPARI  10 milhões
Dados: anuário das Finanças dos Municípios Capixabas. Ano base: 2016
REDUÇÃO
As maiores reduções de despesas entre os legislativos dos municípios do Estado foram registradas pelas câmaras de Venda Nova do Imigrante (-39,9%) e Ibiraçu (-16,9%). A Câmara de Venda Nova, que em 2015 havia gasto R$ 2,68 milhões, diminui as despesas em mais de R$ 1 milhão, fechando o ano passado com R$ 1,61 milhão.
Divulgação
Divulgação
José Luiz Pimenta destaca eficiência nos gastos da Câmara de Venda Nova do Imigrante
Na avaliação do vereador José Luiz Pimenta de Sousa (PP),  presidente da Câmara Municipal de Venda Nova do Imigrante, os dados são importantes para demonstrar que o órgão está no caminho certo pois, diante da crise econômica, exige que os gastos sejam feitos de forma eficiente.
"Nós, de Venda Nova do Imigrante, temos uma cultura de organização e pensamento para o bem comum e a Câmara, com esses dados, reflete exatamente esse nosso cuidado com o coletivo. Somos hoje uma das câmaras municipais com menos vereadores e menos servidores, mas com pessoas comprometidas com a gestão da nossa Casa de Leis”, comentou Pimenta.
O presidente da Câmara afirmou ainda que a competência dos funcionários escolhidos faz com que, apesar do número reduzido, ainda seja possível realizar bem o trabalho. “Nossos salários são equilibrados, não exagerando em nenhum cargo, seja dos vereadores, seja dos servidores. Para mim, esse dado demonstra que estamos em uma escala de evolução da nossa gestão pública e assim que vamos continuar”, concluiu o vereador.
tags gastos; câmaras municipais; anuário de Finanças; Câmara da Serra; Câmara de Vitória; Câmara de Venda Nova