Vida Saudável

Especialistas alertam que vermes podem causar infecção generalizada e até a morte

Marcos Fernandez/OEstadoES
Marcos Fernandez/OEstadoES
Presidente da Federação de Gastroenterologia no ES, Roseane Bichalho afirma que 36% dos adultos brasileiros possuem alguma verminose
Contrair vermes pode parecer coisa de criança, porém qualquer pessoa está sujeita à contaminação, e os especialistas advertem: eles podem causar infecção generalizada e até a morte. O alerta é importante ser frisado já que, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), as parasitoses são as doenças mais comuns do mundo e atingem 50% da população mundial.
De acordo com a presidente da Federação de Gastroenterologia no Espírito Santo, Roseane Bicalho, 36% dos adultos no Brasil possuem parasitose. "O número piora quando nós falamos de crianças, pois metade delas possui algum tipo de verminose".
"Na maioria das vezes, as pessoas contraem esses vermes ao consumir algum alimento contaminado por não ter sido limpo da maneira adequada. A falta de higiene pessoal, como deixar de lavar as mãos, também é um sinal.  Além disso, um local onde se vive sem saneamento básico pode gerar verminoses causadas pelos coliformes fecais" ressalta Roseane.
A médica gastroenterologista Maria do Carmo Linard destaca que é importante ficar atento aos sinais que essas doenças causam. "Enjoos, diarreias, gases, dores abdominais, anemias por perda de sangue, dor de cabeça. São vários os sintomas, não existe um específico".
Além de não ter um sintoma específico, em alguns casos eles nem se apresentam. "Há casos em que o paciente não sente nada e vai enfraquecendo. Percebendo isso, é fundamental procurar um médico", completa Maria do Carmo.
O tratamento de doenças ligadas a parasitas tem que ser completo e com atenção redobrada a pacientes com baixa imunidade. "Se a verminose não for tratada corretamente em pacientes debilitados, que possuem uma imunidade baixa, pode levar a um quadro de infecção generalizada e até a morte", frisa Roseane.
Para evitar contrair verminoses, a médica Maria do Carmo observa que as dicas são simples: não colocar a mão na boca, higienizar as mãos com álcool ou até mesmo água e sabão, não andar descalço. Além disso, ela ainda dá uma receita para higienizar alguns tipos de alimentos. "Pegue frutas, verduras e legumes e os deixe em imersão por 15 minutos, em um litro de água com uma colher de sopa de água sanitária ou cloro, e a higienização estará feita". 
Prevenção do câncer
Além dos cuidados para evitar parasitose, a presidente da Federação de Gastroenterologia no Espírito Santo, Roseane Bicalho, fez um outro alerta: a importância de realização da colonoscopia, um exame que serve para detectar o câncer de intestino, a partir dos 50 anos. 
"Existe um pólipo  que pode se desenvolver no intestino e, ao fazer a colonoscopia, caso seja identificado, o retiramos", contou. A relevância do exame é pelo fato dos sintomas serem semelhantes aos da verminose. "A pessoa toma remédio de verme, não faz a colonoscopia e pode acabar deixando o câncer de intestino se desenvolver".
Unidade móvel de saúde atende a população em Vitória
Marcos Fernandez/OEstadoES
Marcos Fernandez/OEstadoES
No interior da carreta do "Movimento Brasil sem Parasitose", pacientes esperam atendimento
As médicas Roseane Bicalho e Maria do Carmo Linard estão fazendo atendimento à população no projeto itinerante "Movimento Brasil sem Parasitose", da Federação Brasileira de Gastroenterologia. Trata-se de uma carreta com consultórios médicos adaptados, que fica até quinta-feira (22) na Praça dos Namorados, na Praia do Canto, em Vitória. 
O objetivo do projeto é reduzir o número de ocorrências dessas doenças, que geram consequências graves e até a morte, e também avaliar doenças do sistema digestório (boca, estômago, esôfago e intestinos) como refluxo esofágico, gastrite, úlceras, prisão de ventre, diarreias, infecções intestinais, entre outras.
A equipe médica, formada por 20 profissionais da saúde, além de atendimentos gratuitos de médicos gastroenterologistas e pediatras, ainda vão auxiliar no trabalho de orientação e prevenção das parasitoses abordando temas como a importância de hábitos de higiene pessoal e doméstica e o correto tratamento antiparasitário. Apresentações e oficinas teatrais gratuitas também estão na programação.
Na capital, serão atendidas 150 pessoas por dia. O atendimento será feito mediante retirada de senhas que estarão disponíveis ao público na unidade móvel, a partir das 8h e valem para o mesmo dia. 
O projeto já passou pelas cidades de Campinas, São Paulo, Santos, Porto Alegre, Campo Grande, Cuiabá, Goiânia, Belém, Teresina, Juazeiro do Norte, Campina Grande, Caruaru e, depois de Vitória, segue para o Rio de Janeiro. 
SERVIÇO
Unidade Médica Móvel "Movimento Brasil sem Parasitose"
Local: Praça dos Namorados, Praia do Canto - Vitória (em frente ao Bob's) 
Horário: Das 8h às 17h
Quando: Até quinta-feira (22)
tags Parasitoses; Vermes; Doenças; Infecção generalizada; morte